segunda-feira, 16 de maio de 2011

Histórias de Nilton Santos


Pouco antes da meia-noite do dia 16 de maio, data do aniversário de 86 anos do maior ídolo do Botafogo, Nilton Santos; publico alguns trechos da entrevista concedida pelo "Enciclopédia" no ano de 2004:

Supertição

"Fui 26 vezes campeão e nunca perdi uma decisão. Supertição prá mim é uma religião"

Garrincha

"O brasileiro conhece Garrincha da Seleção. O que eu vi ele fazer pelo Botafogo por esse mundo afora é um negócio de louco"

Carlito Rocha

"Seu Carlito se considerava um pai para nós. Ele ia na concentração, quando havia concentração, e dava mel na boca da gente como se fosse filho dele. Hoje não sei como é que anda. Mas era bem diferente. Era uma família botafoguense"

Saudosismo

"Hoje raramente eu vejo futebol. Você não vê um cara amaciar a bola e fazer uma boa jogada. Prefiro não ver pois gosto e quero ver coisa bonita"

Na oportunidade, Nilton Santos contou outras histórias como a de que Zizinho, craque do Bangu e da Seleção Brasileira, havia pedido a ele para jogar no Botafogo. Mas, segundo Nilton Santos, um dos dirigentes do Botafogo, o Corrêa Meyer, não aceitou Zizinho no Botafogo porque ele certa vez tinha corrido atrás do cachorro Biriba, o mascote do Botafogo, para dar um bico no cachorro. Portanto Zizinho, que viria a ser Bicampeão no São Paulo deixou de vir para o Botafogo por causa de Corrêa Meyer.

Sobre a sua vinda para o Botafogo, Nilton Santos conta que jogava pelo Flexeiras, um time do subúrbio, próximo à Leopoldina, onde hoje está instalado o Galeão. O Flexeiras foi fazer um treino contra o São Cristovão, em Figueira de Mello. E Arquimedes, que era treinador do São Cristovão quis ficar com ele.

O Major Onório (Nilton Santos era soldado do Exército) teria dito para Nilton Santos não se comprometer, que ele tinha um tio que era diretor social do Botafogo e que se dava bem com o Carlito Rocha. O Major teria dito: "A tentar tente no Botafogo, que é um time grande".


A última para fechar com chave de ouro diz respeito à rivalidade contra o Flamengo na época em que o rubro-negro era freguês. A história que todo mundo sabe de que Manga fazia a feira às vésperas do jogo contra o rival já contando com o bicho certo. Seguem as palavras de Nilton Santos:

"O pessoal da imprensa instigava o Manga. E amanhã, Manga, como é que vai ser? Sim, já peguei meu bicho adiantado (...) E a torcida do Flamengo ficava louca. Porque normalmente a gente ganhava. Nosso time era bom: Garrincha, Didi, Paulo Valentin, Quarentinha e Zagallo. E ainda tinha de fora o China. Tinha o Amarildo. Tinha um montão de gente".

Bons tempos aqueles!

2 comentários:

  1. Que não voltam mais. Quisera eu ter visto este "monstro" atuando.

    Saudações!!!

    ResponderExcluir